26/12/2015 - 15:49

TRAGÉDIA: Morte de brasileiros em Massachusetts, no dia de Natal, expõe o perigo invisível do Monóxido de Carbono. Saiba como se proteger e evitar uma tragédia


É muito triste ver algo acontecer que poderia naturalmente ser evitado. A morte inesperada de dois brasileiros no dia de Natal, em Milford, abalou a comunidade brasileira em Massachusetts. Mas também eleva o alerta do perigo desconhecido do Monóxido de Carbono. Adair Vieira Desales, 47 anos, e sua namorada, Maria Aparecida Dasilva, de 42 anos, foram encontrados mortos em casa, enquanto dormiam, e todas as indicações apontam para o envenenamento do casal através de  Monóxido de Carbono.

O gás é um dos maiores perigos à saúde, principalmente na época do inverno, com a exposição aos aquecedores domicialares antigos, e veículos cujos canos de escape ficam entupidos pela neve. Incolor e inodoro, o Monóxido de Carbono pode levar à morte em questão de instantes. E, infelizmente, muitas residências em Massachusetts, principalmente onde moram imigrantes, não têm o detector do gás, geralmente acoplados ao teto. O aparelho, vendido em qualquer farmácia ou lojas de construção, é o meio mais seguro de se proteger do gás, e pode salvar sua vida. No veículos, é importante sempre checar o cano de escape durante nevascas para ter a certeza que não está entupido com gelo, antes de ligar e esquentar o carro.  Manter as janelas do veículo abertas, enquanto esquenta o motor, também ajuda a evitar a contaminação pelo gás mortal. E os imigrantes brasileiros, que infelizmente não prestam atenção no "heater" à óleo e antigo das casas, aos aquecedores de gás antigos também, precisam ficar alertas. Infelizmente a tragédia é que nos faz lembrar do que pode acontecer com todos nós.

VEJA ABAIXO E QUE O MONÓXIDO DE CARBONO:

O Monóxido de Carbono (CO) é um gás levemente inflamável, incolor, inodoro e muito perigoso devido à sua grande toxicidade. É produzido pela queima em condições de pouco oxigênio (combustão incompleta) e/ou alta temperatura de carvão ou outros materiais ricos em carbono, como derivados de petróleo.

Todas as pessoas e animais estão em risco de envenenamento por monóxido de carbono. Os sintomas mais comuns deste são dores de cabeça e no peito, tonturas, confusão, fraqueza, náuseas e vómitos, que podem facilmente ser confundidos com outras enfermidades (por exemplo constipação ou intoxicação alimentar), e em casos mais graves pode ocorrer perda da consciência e morte. Pode haver também, a longo prazo, sequelas cardíacas e neuronais posteriores a uma intoxicação.

Os recém-nascidos, crianças pequenas, idosos e pessoas com doenças cardíacas crónicas, problemas respiratórios ou anemia são grupos de risco devido à sua maior suscetibilidade aos efeitos deste gás.

O PERIGO QUE REPRESENTA À SAÚDE:

A exposição a doses relativamente elevadas em pessoas saudáveis pode provocar problemas de visão, redução da capacidade de trabalho, redução da destreza manual, diminuição da capacidade de aprendizagem, dificuldade na resolução de tarefas e até mesmo levar a morte.

Concentrações abaixo de 400 ppm no ar causam dores de cabeça e acima deste valor são potencialmente mortais, tanto para plantas e animais quanto para alguns micro-organismos.

O monóxido de carbono está associado ao desenvolvimento de doença isquémica coronária, pensando-se que esse fato resulte da interferência com a oxigenação do miocárdio e do aumento da adesividade das plaquetas e dos níveis de fibrinogénio o que ocorre particularmente com os fumantes.

O monóxido de carbono é formado quando os combustíveis (gás, derivados do petróleo, combustíveis sólidos e solventes) não são queimados completamente. É produzido ainda quer por fontes naturais quer por fontes produzidas pelo Homem. É comum encontrar em grandes concentrações em incêndios, no fumo libertado pelos automóveis e na indústria siderúrgica. Dentro de casa, as principais fontes são os fornos, os fogões a lenha e as ligações de gás mal efetuadas.

Fonte: wikipedia.org



COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA